Sem Mandetta, Bolsonaro se reúne com médicos para debater coronavírus - 2 de Julho Noticias - A notícia ao seu alcance // //]]> // //]]>

Últimas Noticias

Home Top Ad

Post Top Ad



02 abril 2020

Sem Mandetta, Bolsonaro se reúne com médicos para debater coronavírus

Embora não conste na agenda, o ex-ministro e deputado Osmar Terra (MDB-RS) estava presente, segundo relatos feitos à Folha


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu nesta quarta-feira (1) um grupo de médicos para debater, entre outros temas, o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. Ele deixou de fora do encontro o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde), principal porta-voz do governo sobre a pandemia do novo coronavírus.

A reunião, que não estava prevista inicialmente na agenda presidencial, tomou duas horas dos compromissos de Bolsonaro nesta quarta, segundo informações do Palácio do Planalto.
"Hoje recebi dois grupos de cientistas, pesquisadores dessa área, trocamos informações. Eles estão bastante esperançosos que a cloroquina realmente seja uma realidade", disse o presidente ao chegar ao Palácio da Alvorada no início da noite.
Questionado sobre quem seria os pesquisadores, ele não soube dizer. "De cabeça não sei, mas são do Brasil."Os médicos são, em sua maioria, cardiologistas. De acordo com a agenda divulgada pelo Planalto após o encontro estavam presentes Otávio Berwanger (Albert Einstein), Viviane Veiga (Beneficência Portuguesa), Álvaro Avezum Júnior (Dante Pazzanese), Regis Goulart Rosa (Moinhos de Vento) e Alexandre Biasi Cavalcanti (HCor - Hospital do Coração).

De acordo com o site do HCor, a instituição faz parte de um grupo, formado pela Fiocruz, pelo Ministério da Saúde, BRICnet, e outras sociedades médicas, que promoverá um estudo mundial sobre o novo coronavírus.

Embora não conste na agenda, o ex-ministro e deputado Osmar Terra (MDB-RS) estava presente, segundo relatos feitos à Folha. O parlamentar é médico e está alinhado com Bolsonaro no discurso sobre medidas de combate ao novo coronavírus.

À semelhança de Bolsonaro, Terra defende o chamado isolamento vertical -apenas de idosos e pessoas do grupo de risco- e incentiva o tratamento à base de cloroquina, cuja eficácia ainda não foi comprovada.

Mandetta, que diverge do presidente, não foi convidado para o encontro. Ele tem sido firme em seu posicionamento a favor do distanciamento social para toda a população apesar da pressão de Bolsonaro e, nesta quarta (1º), voltou a dizer que a cloroquina será oferecida apenas a pacientes graves, que pode provocar efeitos colaterais graves e que ainda não foi devidamente testada para o tratamento da Covid-19.

Em entrevista à imprensa, Mandetta minimizou o fato de não ter sido convidado. Ele disse que não proíbe ninguém de fazer reuniões e que se trata de algo, para ele, "secundário, terciário ou quaternário". Ele ressaltou que o episódio não o ofendeu.
"Só trabalho com critérios técnicos e científicos. Agora, existem as pessoas que trabalham com critérios políticos, que são importantes. Deixem eles trabalharem. Não me ofendem em nada. Estou olhando três coisas: foco, disciplina e ciência. Nós vamos nos pautar por isso até o limite de tudo", disse.
O ministro ressaltou que sugestões para o enfrentamento do coronavírus devem ser baseadas em pesquisas científicas e referendadas pelo CFM (Conselho Federal de Medicina)."Eu estou obedecendo as regras da medicina. E é em cima delas que vou trabalhar, com técnica. O resto eu não analiso", disse.

Mandetta entrou em rota de colisão com Bolsonaro sobre seu posicionamento em relação ao novo coronavírus. Em reunião tensa no fim de semana, o ministro disse ao presidente que vai manter sua posição técnica. A aliados ele disse estar exausto da pressão que vem sofrendo, mas que não pedirá demissão e que só sai se essa for uma vontade de seu chefe.

por FOLHAPRESS

Post Bottom Ad