Brasil tem 957 mortes e 18.176 infectados - 2 de Julho Noticias - A notícia ao seu alcance // //]]> // //]]>

Últimas Noticias

Home Top Ad

Post Top Ad



10 abril 2020

Brasil tem 957 mortes e 18.176 infectados

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 8h30 desta sexta-feira (10), 18.176 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 958 mortes pela Covid-19.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de quinta, aponta 17.857 casos confirmados e 941 mortes.

São Paulo continua com o maior número de casos confirmados e de mortes. São 7.480 infectados e 496 óbitos. O Rio de Janeiro tem 2.216 casos e 122 mortes. O Ceará conta 1.445 infectados e 57 mortes.


Veja alguns dados sobre a Covid-19 no Brasil até as 6h42 desta sexta:
  • O mais jovem a morrer foi um recém-nascido de quatro dias, em Natal (RN)
  • Fortaleza (1.285 casos) é a capital com maior incidência da Covid-19: 34,7 casos a cada 100 mil habitantes
  • São Paulo é a cidade com mais casos em números absolutos: 4.947
  • Tocantins é o único estado que não registrou mortes
  • NO MUNDO: Espanha tem 15,8 mil mortes por coronavírus

Celebrações religiosas de abril

A coluna de Sandra Cohen desta quarta-feira comenta como serão os feriados de três religiões monoteístas neste mês de abril: a Páscoa judaica, a Semana Santa e o Ramadã.

Em Israel, os judeus comemoram na noite desta quarta o Pessach, a festa da liberdade que marca o fim do êxodo do Egito, mas estarão presos em casa, para evitar a propagação da doença. O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, determinou o bloqueio geral no país até sábado às 19h. Quem sair, será parado pela polícia. A proibição visa a evitar aglomerações em sinagogas e jantares de família -- a imagem mais simbólica desta festa.

A pandemia exigiu a reformulação dos serviços desta Semana Santa sem presença de peregrinos em Roma ou Jerusalém. Este ano, a Via Crucis da Sexta-feira Santa será realizada no átrio da basílica e não em torno do Coliseu de Roma.

No dia 23 será a vez de os muçulmanos iniciarem o Ramadã, mês de reflexão e oração, em que jejuam do nascer ao pôr do sol. A pandemia fechou mesquitas e certamente vai impor a quebra do jejum sem reuniões de famílias e amigos.

por G1

Post Bottom Ad